Receba dicas grátis!

Vamos falar de SEO – Entenda o que é black hat e white hat na otimização do seu site

black hat

Aplicar as práticas adequadas de SEO em seu site gera uma otimização que rende bons frutos para a sua estratégia. Graças a elas, é possível conquistar posições, aumentar o alcance e melhorar o tráfego.

Porém, há alguns truques que prometem os mesmos resultados, mas que podem custar muito caro. Conhecer o certo e o errado, portanto, é indispensável para saber como agir.

Por isso, descubra, a seguir, o que é black hat e white hat e qual é a influência de cada abordagem.

O que são as práticas de black hat de SEO?

Especificamente falando de SEO, essas práticas têm o objetivo de enganar o Google, de modo que o algoritmo entenda que uma determinada página é mais relevante do que é.

Com isso, o buscador apresenta o endereço em posições mais elevadas, o que acaba induzindo o usuário ao erro.

Se você, alguma vez, já buscou um termo, clicou em uma das primeiras posições e terminou em um site que não tinha nada a ver com o tema, então você sabe exatamente o que são essas práticas.

Entre as mais comuns, estão:

  • Keyword stuffing ou uso excessivo da mesma palavra-chave, tentando denotar maior relevância;
  • Cloaking, que nada mais é do que esconder um conteúdo no código, tornando-o legível somente para o algoritmo do Google;
  • Link farm, que consiste na criação de páginas que geram redirecionamento umas para outras, buscando uma aparente relevância;
  • Unrelated keywords ou o uso de palavras-chave de alta relevância/pesquisa, mas que não têm nada a ver com o conteúdo.

Há várias outras técnicas que também são usadas, como o uso do link do site/página em comentários de vários blogs no melhor estilo spam, redirecionamento indevido para outras páginas e assim por diante.

E as práticas white hat?

Se as black hat são as vilãs, as white hat são as mocinhas do SEO. Usá-las é uma forma de ter o site bem-visto pelo Google e pelos próprios usuários.

Com uma consistência de atuação, é possível conseguir boas posições de maneira duradoura e totalmente honesta.

Como são mais de 200 fatores de ranqueamento, não faltam boas práticas, mas entre as melhores estão:

  • Produção de conteúdo útil, original e que responda às dúvidas da persona;
  • Uso de palavras-chave semanticamente relacionadas, favorecendo o entendimento do Google sobre o que é o endereço;
  • Utilização de imagens otimizadas, permitindo a leitura facilitada do algoritmo;
  • Uso de link building adequado, linkando e sendo linkado por sites de referência;
  • Otimização da experiência no site, favorecendo o tempo de permanência e a relevância e mais.

Com isso, as práticas white hat nada mais são do que fazer SEO do jeito certo e ético.

Por que é importante conhecer esses elementos?

Em primeiro lugar, reconhecer as práticas de “chapéu preto” é necessário para entender o que não fazer, mesmo sem querer. Da mesma forma, analisar as boas práticas permite uma otimização eficiente.

Além disso, o black hat é penalizado pelo Google. Na melhor das hipóteses, o algoritmo não considerará seu conteúdo, mas o provável é que ele perca muitas posições ou até que seu site já não apareça mais em qualquer busca.

Para piorar, o público nota que seu conteúdo não é de qualidade e, com isso, o site pode perder totalmente a credibilidade e de maneira duradoura.

Portanto, conhecer esses elementos é fundamental para conseguir resultados adequados e, principalmente, para não colocar toda a estratégia a perder.

Ao entender o que são as práticas de black hat e de white hat, você poderá adotar a abordagem ética e adequada. Assim, seu site não é penalizado e, ainda por cima, consegue posições de forma duradoura.

Você já executou alguma prática considerada ruim? Restou outra dúvida? Comente!

Adicionar comentário

Show Buttons
Share On Facebook
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Hide Buttons