KPIs – Entenda quais são os principais indicadores de performance

KPIs – Entenda quais são os principais indicadores de performance

Os indicadores de performance, também conhecidos como KPI, são métricas que dizem muito sobre a atuação altamente estratégica do negócio. Acompanhá-los, portanto, é uma forma de entender como o empreendimento caminha rumo ao sucesso.

Embora cada empresa tenha suas necessidades e KPIs que devem ser acompanhados, há alguns que se destacam por sua grande aplicabilidade. Inclusive, muitos servem não apenas para a área financeira ou de gestão, mas também para mensurar resultados do marketing digital, por exemplo.

Por isso, veja quais são os principais e saiba como e quando usá-los!

O ticket médio é um dos indicadores de performance financeira

Esse KPI apresenta qual é o valor médio gasto pelos clientes dentro de um determinado período. Para calculá-lo, use a seguinte equação:

Ticket médio = Faturamento do período / Número de clientes no período

Se a empresa teve 100 clientes e faturou R$ 50 mil no mês, seu ticket médio é de R$ 500,00 para o período. A ideia é que o valor seja o maior possível. Também dá para comparar com o preço médio dos produtos. Se o ticket médio é de R$ 500,00 e os produtos custam, em média, R$ 100,00, há um indício de que os clientes compraram mais de um item ou mais de uma vez. Porém, se o preço médio dos itens é de R$ 450,00, há espaço para otimização.

O custo de aquisição do cliente (CAC) é crucial para a lucratividade

O custo de aquisição do cliente (CAC), como o próprio nome indica, demonstra qual é o valor gasto em todo o processo de captação e conversão dos clientes. Ele é dado por:

CAC = Valor das ações de captação e conversão / Total de clientes no período

Se uma empresa gastou R$ 20 mil em um mês e conseguiu atrair 50 novos clientes, então o CAC é de R$ 400,00 Não existe um valor ótimo, mas o ideal é que ele seja o menor possível.

Além disso, esse KPI pode ser cruzado com o ticket médio para definir se o CAC está ou não em uma faixa adequada.

Se o CAC é de R$ 400,00 e o ticket médio de R$ 300,00, a empresa está gastando mais do que ganha com a venda. Já se o ticket médio é de R$ 1.000,00, então o CAC caminha para ficar dentro de um ótimo valor.

A taxa de conversão ajuda a avaliar os esforços junto aos clientes

Outro entre os indicadores de performance mais importantes é a taxa de conversão. Ela pode ser usada tanto em relação à venda quanto em ações específicas, como acontece no marketing digital.

Seu cálculo é dado por:

Taxa de conversão = (Número de clientes que agiram como o desejado / Número de contatos) x 100%

Imagine que uma campanha de marketing digital alcançou 20 mil pessoas e, delas, 400 converteram. O valor da taxa, portanto, é de 2%.

Um número progressivamente mais elevado demonstra eficiência nos esforços do time responsável.

O retorno sobre investimento (ROI) é uma das métricas mais importantes

Outro entre os indicadores de performance é o retorno sobre investimento (ROI). Ele indica qual é a rentabilidade de uma determinada ação, ou seja, o que ela “devolve” para o negócio.

O cálculo é dado por:

ROI = [(Faturamento – Gastos com a ação) / Gastos com a ação] x 100%

Se uma estratégia de e-mail marketing custou R$ 5 mil e conseguiu um retorno de R$ 7 mil, por exemplo, o ROI da ação foi de 40%. Ou seja, cada R$ 1 investido retornou R$ 1,40 brutos. Mais uma vez, valores elevados indicam bons resultados. Esse KPI é muito relevante porque ajuda a priorizar investimentos e, também, permite que a empresa identifique qual é o retorno, de fato, que cada abordagem traz.

Acompanhando esses indicadores de performance, dá para conhecer a fundo os principais resultados do seu empreendimento. A partir daí, a tomada de decisão fica facilitada e muito mais estratégica! Quais são os indicadores que sua empresa acompanha? Conte nos comentários e compartilhe experiências!

Quer fidelização? Comece fazendo a gestão de clientes com um CRM

Quer fidelização? Comece fazendo a gestão de clientes com um CRM

A fidelização é um elemento fundamental para o sucesso do seu empreendimento. Ter consumidores fiéis significa que eles estão satisfeitos e, principalmente, que estão indicando o negócio para outras pessoas.

O processo, entretanto, não é tão simples, mas algumas ferramentas podem ajudar. Quando a gestão de clientes é feita com um CRM, por exemplo, há maiores possibilidades de conquistar os efeitos desejados.

Sendo assim, veja a seguir como usar esse recurso a seu favor e consiga uma base sólida de consumidores!

Use as informações para fazer um atendimento personalizado

É fundamental que todos os clientes e até leads e prospects estejam cadastrados no CRM. Coletar as informações dessas pessoas é uma opção de partida e os próximos passos incluem o monitoramento de todos os pontos de contato.

Ao fazer isso, a empresa terá uma grande e relevante base de dados a respeito de quem mais importa. Porém, somente ter as informações não é o suficiente. Na hora de atender, esses elementos devem ser utilizados para criar uma experiência personalizada e altamente satisfatória.

Imagine, por exemplo, que sua empresa oferece um sistema na nuvem e um determinado cliente possui um plano intermediário. Ao entrar em contato com o suporte, o ideal é que o atendente saiba, exatamente, qual é o plano dele, o tempo de relacionamento e outras características relevantes.

Além de isso acelerar qualquer processo de atendimento, evita que o cliente tenha que ser questionado sobre dados que já forneceu anteriormente. Isso aumenta a satisfação e, consequentemente, leva a uma fidelização maior.

Una o CRM a uma ferramenta de automação de marketing

Como é uma tendência crescente que vendas e marketing se unam, o CRM não precisa ser utilizado apenas do ponto de vista comercial. De fato, dá para uni-lo a uma ferramenta de automação de marketing para conseguir melhores resultados.

Explica-se: com esse trabalho conjunto dos softwares, é possível criar um fluxo de nutrição que é cada vez mais relevante para o consumidor. Na hora de fazer e-mail marketing, por exemplo, dá para enviar conteúdos que tenham a ver, de fato, com a jornada de quem consome.

Usando os dados do CRM, a automação de marketing segmenta e direciona as campanhas para as pessoas certas, melhorando a conversão e favorecendo o alcance dos efeitos esperados.

Aposte em um pós-vendas de sucesso

A gestão de clientes não deve acontecer somente até o momento em que o consumidor diz “sim” e faz a aquisição. Ela precisa continuar depois disso e o CRM é de grande auxílio.

Com as informações de comportamento, consumo e necessidades de quem compra, o time comercial poderá fazer um pós-vendas de alta qualidade. É o caso de fazer ofertas complementares (cross selling) ou melhoria/atualização (up selling).

No mesmo caso do cliente que possui um plano intermediário do software, o CRM pode apontar que, na verdade, ele ficará melhor com recursos avançados. Assim, o time comercial pode abordá-lo, explorar os problemas que já são conhecidos e mostrar o upgrade como uma solução viável.

Faça uma gestão de clientes inativos

E quanto a quem comprou e não retornou? Pois saiba que também é possível fidelizar essas pessoas e com um esforço menor do que o necessário para adquirir novos.

Nesse caso, a gestão de clientes envolve as pessoas que estão na base, mas que, por algum motivo, ficaram inativas. O CRM ajuda justamente a identificá-las e, com base nas informações, a desenhar soluções que ajude a atraí-las de volta.

Ao entrar em contato, é possível oferecer descontos, vantagens e outros elementos que façam com que a pessoa retorne para a compra e se mantenha fidelizada.

Ao empregar o CRM em sua gestão de clientes, o atendimento fica mais robusto e personalizado, colaborando para a fidelização. Assim, considere usar esse recurso para consolidar efeitos ainda melhores!

Gostou dessas informações? Não deixe de acompanhar nossa página no Facebook para receber as atualizações do blog!

5 técnicas matadoras para aumentar o desempenho no Facebook Ads

5 técnicas matadoras para aumentar o desempenho no Facebook Ads

O Facebook Ads é uma forma prática de anunciar na maior e mais acessada rede social do mundo. Com uma ação bem estruturada é possível conquistar novos fãs, ampliar a exposição da marca e consolidar conversões com ótimo retorno.

Para conseguir todos esses efeitos, é necessário usar práticas para vencer a concorrência, se destacar e convencer o cliente. Por isso, veja 5 técnicas matadoras para melhorar o desempenho e descubra como usar essa ferramenta de forma estratégica!

1. Segmente as suas campanhas para ter os melhores resultados

O orçamento ligado ao Facebook Ads está diretamente relacionado ao número de pessoas alcançadas. Com isso, quanto maior for o público que você pretende atingir, maior é o orçamento.

O problema é que nem todo mundo conhece a sua marca ou está interessado na solução que ela oferece. Por isso, é fundamental segmentar o público da campanha. Selecione informações relevantes, como faixa de idade, localização e até interesses e páginas relacionadas.

Isso melhora a rentabilidade da ação, já que maximiza o potencial de conversão — ou que, normalmente, não acontece com informações inespecíficas.

2. Defina corretamente os objetivos da campanha no Facebook Ads

Também é necessário estabelecer quais são os objetivos de cada ação. A ideia é definir, por exemplo, valores desejados de conversão e qual é a ação a ser tomada pelo usuário.

Se você deseja vender mais ou melhorar a rentabilidade do empreendimento, adquirir mais fãs, por si só, não será o bastante. Por isso, é preciso ter bem claros quais são, de fato, os interesses com a campanha.

Essa é uma decisão que ajuda a evitar o acompanhamento de métricas de vaidade e que favorece a atuação altamente estratégica.

3. Prenda a atenção do público que será atingido

No Facebook, a atenção do seu público está cada vez mais dispersa entre um volume intenso de informações. Se publicações de amigos e parentes muitas vezes não são vistas, anúncios podem ser facilmente ignorados.

Para evitar que isso aconteça, invista em prender a atenção do público com chamadas atraentes, fotos bonitas e elementos persuasivos. Inclusive, oferecer condições exclusivas para esse canal é uma forma de despertar o interesse quem é atingido pela campanha.

4. Faça testes controlados sobre o desempenho

Mesmo que a performance no Facebook Ads esteja satisfatória, sempre há a possibilidade de melhora. Por isso, o recomendado é realizar testes com uma variação por vez. Faça pequenas alterações, no melhor estilo teste A/B, para identificar quais são, de fato, os interesses do seu público.

Essa é uma ação que garante dinamismo e o melhor aproveitamento de oportunidades. Ao final, a sua campanha terá uma rentabilidade muito maior se usar adequadamente essas informações.

5. Monitore de perto os resultados obtidos até então

A hora de medir o que aconteceu não é apenas quando a campanha é encerrada. Em vez disso, procure fazer um monitoramento constante e dinâmico, de modo a identificar oportunidades e gargalos.

É somente ao monitorar os resultados bem de perto que você poderá evitar que campanha seja um fracasso ou, então, que deixe de aproveitar a chance de ter o seu retorno sobre investimento multiplicado. Com os dados e estatísticas, embase decisões que possam contribuir para efeitos cada vez melhores.

Ao aplicar essas orientações, você conquistará um desempenho no Facebook Ads muito melhor, favorecendo o sucesso do empreendimento. Ainda tem alguma dúvida sobre o que fazer? Conte nos comentários!

Saiba como influenciar a tomada de decisão através do fluxo de nutrição

Saiba como influenciar a tomada de decisão através do fluxo de nutrição

O funil de vendas é uma metodologia muito utilizada para que uma empresa oriente suas ações de marketing rumo às vendas. Como divide as oportunidades em seus diferentes estágios de compra, é capaz de aumentar a efetividade de ações e diminuir o ciclo de vendas.

Para que isso seja possível, o fluxo de nutrição precisa ser feito corretamente. É ele quem conduzirá os leads até que se tornem clientes, o que acontece por meio da informação e oferta de conhecimento relevante.

Quer saber como influenciar a tomada de decisão com esse elemento? Então veja a seguir:

Identifique a posição dos contatos no funil de vendas

O primeiro passo para que o fluxo de nutrição funcione é reconhecer onde está o seu contato/oportunidade. Ao saber qual é a posição no momento, dá para definir qual é o próximo passo a ser dado. Se um cliente ainda está na fase de reconhecimento e descoberta, por exemplo, o fluxo de nutrição tem que conduzi-lo para o aprofundamento e consideração.

Já se a pessoa está prestes a fechar negócio, oferecer conteúdo do topo do funil, explicando sobre um problema que ele já reconhece, só levará à perda de timing e prejuízos para a persuasão. Para acertar, vale utilizar a qualificação de leads mediante parâmetros bem definidos, de modo a separá-los corretamente entre as etapas.

Ofereça conteúdo específico no fluxo de nutrição

A partir dessa identificação, é hora de oferecer conteúdo específico e personalizado para que a pessoa fique mais próxima de tomar uma decisão favorável à sua empresa. Novamente, a qualificação vem a calhar. Por meio dela, dá para criar grupos entre as oportunidades, considerando o posicionamento delas.

Isso gera a segmentação, que consiste em oferecer conteúdo personalizado para cada necessidade desse grupo. Assim, aumentará a efetividade de ações, pois garante que cada pessoa receberá o conteúdo de que necessita. Pense em conteúdos e elementos que ajudem a informar e convencer as pessoas, tornando-as mais seguras para tomar a decisão. Criar esse relacionamento é fundamental para conduzi-las até o final.

Aproveite a automação de marketing

Dependendo da sua base de leads, fazer esse processo manualmente demanda muito tempo e recursos. Além disso, há maiores chances de haver o desperdício de oportunidades.

A melhor maneira de contornar isso é com a automação de marketing. Por meio de ferramentas desse tipo, dá para definir parâmetros e gatilhos, que determinam quando uma pessoa recebe um ou outro conteúdo.

Isso ajuda a aproveitar todas as oportunidades e diminui as chances de erros, reduzindo o tempo até o fechamento da venda.

Monitore o comportamento e otimize os resultados

Porém, é sempre importante lembrar de que a jornada de compra do público não é linear. Alguém pode entrar pelo meio do funil de vendas, consumir conteúdo do topo e partir para a decisão, por exemplo. Por isso, as ações do seu fluxo de nutrição devem ser norteadas pelo comportamento do seu público, então é fundamental fazer a mensuração e avaliação de resultados.

A partir dos padrões encontrados, realize ações de otimização, gerando cada vez mais efetividade na tarefa de persuasão. Ao seguir esses passos, o seu funil de vendas influenciará diretamente a tomada de decisão e gerará mais conversões para o empreendimento.

Nos comentários, deixe suas impressões, dúvidas ou opiniões sobre o tema!

Google Trends: um grande aliado para analisar o seu mercado

Google Trends: um grande aliado para analisar o seu mercado

Você já conhece o Google Trends? Essa ferramenta de marketing digital do Google é gratuita e pode ajudar bastante sua empresa.

Com a base de dados enorme que o Google tem, você terá acesso aos temas mais pesquisados no momento em seu segmento, compreendendo os interesses do seu público-alvo e buscando o seu melhor posicionamento na internet.

Acompanhe a leitura conosco e saiba mais sobre o potencial do Google Trends para analisar o seu mercado transformando-o para melhor!

O que é o Google Trends?

A ferramenta foi criada em 2006 e disponibilizada gratuitamente. Sua função é acompanhar o número de buscas dos usuários por um tópico específico ou uma palavra-chave. Trends, que significa tendências, mostrará como resultados as tendências de busca sobre um relacionado tema.

O usuário pode ainda filtrar os resultados de sua pesquisa por critérios demográficos, período de tempo, tipo de busca e outras categorias. Esses resultados são uma parte específica do total do Google, e podem ser pesquisados a partir do ano de 2004.

Por que utilizar essa ferramenta?

O Google Trends preocupa-se com as ações do usuário, as possibilidades de segmentação, visando dar maior praticidade, fornecendo uma plataforma intuitiva.

A ferramenta ainda não é amplamente utilizada. Por isso, usufruir dos seus benefícios funciona como um diferencial competitivo para a sua empresa. Isso sem contar que o Google Trends é gratuito, você não precisa investir recursos financeiros para ter os melhores resultados.

Você pode usá-la para encontrar as tendências relacionadas ao seu segmento, identificando o crescimento ou queda no interesse de determinados temas. Isso é importante para direcionar a criação de conteúdos mais relevantes. Além disso, você pode comparar os termos aplicados nas suas ações de marketing.

Outra funcionalidade interessante é o Forecast, que pode prever a popularidade de um termo futuramente. Funciona por meio da análise de pesquisas anteriores. Essa ferramenta também permite filtros de busca que se relacionem com o mercado que você está procurando.

Como utilizar o Google Trends?

O primeiro passo é acessar o link da plataforma. Não é preciso fazer um cadastro prévio para realizar suas pesquisas. Na página principal, você terá acesso aos temas mais populares da internet, na caixa de busca você pode explorar tópicos ou digitar o termo que deseja procurar.

Você encontrará, então, um gráfico evolutivo das pesquisas dos usuários. Rolando a página, terá acesso aos países em que o termo pesquisado é mais popular e também aqueles temas que são mais relacionados a ele.

É possível alterar o intervalo de tempo e acompanhar a evolução das pesquisas (desde 2004 até os dias atuais), envolvendo melhor a oscilação de interesse. Um gráfico comparativo de utilização de palavras-chave também é exibido.

Com um bom trabalho de pesquisa de tendências e palavras-chave, é possível organizar suas estratégias de conteúdo através do mapeamento. Inclua o uso do Google Trends na rotina de estratégias de marketing digital da sua empresa e fique à frente da concorrência, focando nas pessoas e atendendo melhor ao seu público-alvo. Mãos a obra!

O que achou dessa dica? Tem alguma dúvida ou já tem experiência com a ferramenta? Deixe aqui o seu comentário!

E-mail marketing: boas práticas para manter uma boa reputação online

E-mail marketing: boas práticas para manter uma boa reputação online

O Marketing Digital tem sido cada vez mais influente nos negócios empresariais. Empresas recém-construídas, ou até mesmo as mais antigas, sempre buscam aprimorar o modo como serão reconhecidas e como vão atrair os clientes certos e que confiem em seu trabalho.

A melhor forma de divulgação hoje em dia passa por uma ferramenta on-line. Uma das mais eficientes é o e-mail marketing, ele consiste na utilização do e-mail da empresa como um bom mecanismo de marketing direto, com posteriores análises gráficas e relatórios. O processo proporciona uma campanha mais direcionada e otimizada.

Que tal fazer um ótimo e-mail marketing? Veja a seguir algumas boas práticas para manter uma boa reputação on-line.

Não faça SPAM

O SPAM é visto como algo indesejável, em que não pedimos para receber aquele material. Sempre aparecem alguns e-mails indesejados em nossa caixa de correio eletrônico, geralmente são ações promocionais ou propagandas de produtos de que não necessitamos e desconhecemos.

Para adotar boas práticas de e-mail marketing, o processo precisa ser bem diferente. Nesse caso, é essencial ter o consentimento do cliente montando uma lista quente (chamada de ”opt-in”) para receber informações relacionadas aos produtos oferecidos pela empresa.

Este consentimento pode acontecer de formar explícita, quando o cliente notifica a empresa pelo preenchimento de um formulário, por exemplo. Mas pode também ser algo implícito, quando há comum e evidente relação entre as partes.

O e-mail marketing também se diferencia do SPAM por permitir ao destinatário a opção de se descadastrar a qualquer momento da lista de envio pela qual recebeu o e-mail. Isso se chama “opt-out”.

O Código de Autorregulamentação para a Prática de E-mail Marketing diz que o remetente deverá disponibilizar ao destinatário sua política de opt-out. Deve ainda informar o prazo de remoção do seu endereço eletrônico da base de destinatários, que não poderá ser superior a 2 dias úteis, quando solicitado diretamente pelo link de descadastramento do e-mail marketing e 5 dias úteis quando solicitado por outros meios.

Faça a correta mensuração de sua campanha

Há tempos a Internet é usada como fonte e renda para microempreendedores, médias empresas e até mesmo grandes corporações, como a Apple e a Microsoft. Mas poucos sabem que uma das razões para o sucesso de uma campanha é a mensuração dos resultados.

Há métricas que devem ser continuamente conferidas. Uma delas é a taxa de abertura, que vai indicar quantos destinatários abriram ou não as mensagens. O e-mail enviado normalmente orientará o leitor para fazer alguma ação. Por isso, a taxa de cliques também será importantíssima, de modo que você será capaz de entender se muitas ou poucas pessoas estão clicando em suas ofertas.

A taxa de rejeição corresponde ao fato de que muitos consumidores não reagem bem aos seus conteúdos. É necessário, portanto, mudar sua abordagem ou proposta, a fim de não lesar mais a reputação da empresa. A taxa de cancelamentos é também relevante para entender a frequência e a quantidade de pessoas que abandonam sua lista de contatos.

Analisar correta e continuamente as métricas permite que você melhore a segmentação das campanhas e alcance maior retorno das iniciativas em e-mail marketing. Além de um melhor custo-benefício, você com certeza manterá a boa reputação online e aperfeiçoará as práticas de e-mail marketing.

Pense bem na linha do assunto

O e-mail não deve ser tão extenso mas, ao contrário, deve ser bem focado no assunto que você quer tratar. O leitor vai prestar mais atenção, diminuindo as chances de abandono dos conteúdos enviados.

O adequado desenvolvimento do tema permite que você tenha melhor resultado da taxa de cliques nos links de call-to-action (CTA). Isso porque o leitor vai entender perfeitamente sua linha de raciocínio e abordagem, então seja breve e conciso.

Não se esqueça do design de seu e-mail marketing

Um visual ruim é pouco convidativo e não traduz profissionalismo para a sua mensagem. O design deve ser muito bem pensado, a fim de diminuir as taxas de rejeição e cancelamento. O design ajuda o destinatário a encontrar melhor os textos e facilita a leitura do e-mail. Não se esqueça de incluir imagens no corpo do e-mail.

Se for preciso adote templates já feitos ou conte com a ajuda de agências especializadas na ferramenta, para que acentue as melhores práticas de e-mail marketing.

Se você gostou do texto e quer receber mais dicas sobre marketing, acompanhe nossa página no Facebook e receba sempre atualizações de novos posts!

Quais são os segredos das landing pages que convertem?

Quais são os segredos das landing pages que convertem?

As landing pages são ótimos recursos para “isolar” um usuário e fazer um contato direto para que ele realize uma ação. Podendo ir de uma subscrição na newsletter a uma compra, é fato que essas páginas ajudam os resultados.

Entre as que convertem, o segredo é bem simples: todas impulsionam o cliente a agir — preferencialmente, a favor do que a campanha de marketing prevê. Embora isso seja fácil de assimilar, há alguns truques escondidos que ajudam a formar esse segredo. Para desvendar todos, veja o que pode ajudar esse elemento da sua estratégia a ser um sucesso.

A inexistência de distrações nas landing pages

Quando uma pessoa chega a uma página desse tipo, ela está a um passo de tomar a decisão que é tão aguardada. Porém, por mais próxima que ela esteja de fazê-lo, a porta ainda não foi atravessada. Ou seja, há um fino equilíbrio e qualquer distração, por menor que pareça, pode levar o (possível) cliente para bem longe da conversão.

É por isso que as landing pages de sucesso eliminam as distrações ao máximo. Elas não têm um excesso de elementos, não contam com botões de redes sociais e nem mesmo com um atalho para voltar para a página inicial. De certo modo, funcionam como becos sem saída, dificultando que o usuário mude de página sem prejudicar sua experiência. Com isso, há chances maiores de conseguir a conversão.

A clareza de direcionamento

Por falar nisso, qual é o objetivo da sua landing page? O que significa dizer que um cliente, enfim, converteu? Responder a essas perguntas é indispensável para se equiparar àquelas páginas que convertem. O motivo é que somente assim é possível criar um direcionamento claro e que aponte o que o cliente deve fazer.

Uma landing page muito longa, cheia de textos, de informações ou, pior, de botões só deixará a pessoa em dúvida sobre o que deve ser feito. O mesmo vale para muitos redirecionamentos de página ou para aquelas com formulários muito longos. Em vez disso, o ideal é criar páginas limpas, com botões específicos e ações simplificadas que funcionam como verdadeiras setas de neon apontando para o objetivo desejado.

O uso de gatilhos mentais

Converter um cliente em uma página desse tipo é, de certo modo, vender, nem que seja uma ideia. Mesmo um teste gratuito de software ou um agendamento sem compromisso com um consultor, exigem que o cliente se sinta confiante, confortável e persuadido em agir.

É nesse momento que entram os gatilhos mentais. Graças a eles, é possível garantir que os usuários se sintam mais inclinados, ainda que inconscientemente, a realizar uma ação. O uso da prova social é um bom exemplo. Ao apresentar depoimentos de pessoas satisfeitas ou demonstrar cases de sucesso, é provável que o usuário se sinta compelido a tomar uma ação e ter os mesmos benefícios dos demais.

A aplicação de vídeo

Dentro da estratégia digital, o vídeo tem ganhado cada vez mais importância. Devido à sua facilidade de assimilação do que está sendo dito e de seu apelo altamente visual, é um formato favorito de muita gente.

Isso é tão significativo que muitas landing pages que convertem já aproveitam essa característica e trazem um vídeo. Por exemplo, algum explicativo ou de demonstração. É algo que funciona comprovadamente. Ao acrescentar vídeos a esse endereço as conversões podem aumentar incríveis 86%, melhorando muito a rentabilidade e o retorno da estratégia.

Conhecendo os elementos do segredo das landing pages de sucesso, ficará muito mais fácil aplicá-los em sua abordagem. A partir daí, basta acompanhar a tão desejada melhora dos resultados!

Se você quer entender mais sobre conteúdos de marketing, siga nossa página no Facebook e fique sempre atualizado com as nossas publicações!

O que é Lead Scoring em uma estratégia de Inbound Marketing?

O que é Lead Scoring em uma estratégia de Inbound Marketing?

Ter uma boa estratégia de Inbound Marketing atrai um grande número de interessados. Porém, somente gerar leads não é o bastante, pois o objetivo é converter vendas e fazer dinheiro. Ao mesmo tempo, praticamente nenhum lead é igual ao outro, tendo características variadas e que influenciam a compra. Portanto, para trabalhar todo esse volume é relevante entender por qual grupo começar.

Para ajudar nessa tarefa existe o Lead Scoring, uma estratégia tão interessante quanto eficaz. Para saber mais, veja o que é essa abordagem e descubra como ela funciona.

O que é Lead Scoring dentro do Inbound Marketing?

Imagine um negócio que vende softwares e que se depara com três clientes. O primeiro é o diretor de uma empresa e tomador de decisão, mas que não entende como o software se encaixa no negócio. O segundo é um analista de TI, que sabe exatamente como a ferramenta pode ajudar, mas que não toma a decisão.

Enquanto isso, o terceiro é um empresário individual, que recebeu uma recomendação do software, mas que talvez não tenha o dinheiro necessário para fechar a venda. No momento, a equipe comercial só pode trabalhar em cima de uma oportunidade. Qual delas é a melhor? A resposta é: depende do que é mais importante para a empresa, mas ela precisa escolher corretamente para não desperdiçar uma boa chance.

Esse exemplo serve para ilustrar que os clientes não chegam prontos ao negócio e podem estar mais ou menos inclinados à compra. Para identificar e medir isso é que existe o Lead Scoring. Outro nome para a qualificação de leads, a etapa define qual é o potencial de compra de uma pessoa, baseando-se em critérios pré-determinados pela própria gestão. Ele se relaciona ao Inbound Marketing justamente porque ajuda a identificar a probabilidade de conversão em vendas das oportunidades atraídas por essa estratégia.

Por que esse processo é tão importante?

A grande importância de uma etapa de qualificação desse tipo é que ele ajuda a segmentar e direcionar os esforços. Ou seja, o time comercial não usa tantos recursos com oportunidades pouco promissoras ou que, talvez, jamais convertam por não possuírem o perfil certo.

Ao mesmo tempo, as oportunidades que já estão mais preparadas para a compra são trabalhadas com maior afinco, de modo a melhorar o desempenho da integração entre marketing e vendas. Além de tudo, é uma forma de diminuir os custos, inclusive o de aquisição de lead (CPL) e por cliente (CAC), o que melhora a rentabilidade do empreendimento e da campanha.

Como fazer a qualificação de leads?

Para colocar o Lead Scoring em prática, o primeiro passo é determinar quais são os fatores que serão considerados. Saber se a pessoa é ou não a tomadora de decisões e está presente na maior parte das abordagens, mas há várias outras questões.

A localidade, por exemplo, é mais relevante para uma loja física ou e-commerce com limitação de entrega. Já o estilo de vida pode alterar a qualificação para uma marca de roupas esportivas. Ou seja, os fatores devem ser definidos de acordo com o que leva a pessoa a fazer a compra. A partir disso, cada fator deve ter um peso.

Naturalmente, os mais importantes são mais pesados. Ser um tomador de decisão, por exemplo, talvez gere 50 pontos, enquanto ser um analista, apenas 20. O peso, novamente, é determinado individualmente para cada empreendimento e estratégia.

A partir disso, há uma soma entre todos os fatores. Assim, os leads com maior pontuação devem receber prioridade em relação aos outros, aumentando as chances de sucesso e um possível retorno sobre investimento. O Lead Scoring favorece as ações de Inbound Marketing porque permite a priorização de oportunidades pelo time comercial. Assim, fica mais fácil focar-se nos prospects promissores, gerando mais vendas e ótimos resultados.

O que acha de começar a usar esse elemento em sua estratégia? Para saber mais sobre conteúdos relacionados ao marketing siga nossa página no Facebook!

Estratégia de conteúdo para web: o que é e como fazer?

Estratégia de conteúdo para web: o que é e como fazer?

1f

O conteúdo é, para toda estratégia de marketing na web, a alma de todo o planejamento estruturado do negócio. E, ao pensar em conteúdo, temos que ir muito além do que apenas garantir presença nas redes sociais ou investir em e-mail marketing.

Atualmente, praticamente todas as estratégias de marketing na internet giram em torno de um conjunto de ações realizadas com a distribuição de conteúdo de diferentes maneiras. O principal objetivo é atingir o seu público ideal.

Deseja criar uma campanha de conteúdo para a web, mas não sabe por onde começar? Então, confira como criar o planejamento de conteúdo para web neste post!

Defina o público-alvo com o qual você quer falar

O primeiro passo de toda estratégia de marketing que você vai traçar para sua empresa é a definição do público-alvo a ser atingido com sua mensagem. Para a estratégia de conteúdo para a web, portanto, não poderia ser diferente.

A definição desse público — ou persona, como é chamada — é indispensável para que você possa saber exatamente qual tipo de conteúdo vai produzir e a maneira como vai produzi-lo. Tudo para que consiga o impacto que deseja ao divulgar a sua estratégia e seu negócio.

Pesquise por assuntos e palavras-chave relevantes

Uma vez definida a sua persona — que é a personificação do cliente com quem você vai conversar — é chegada a hora de compreender melhor o quê ela busca saber. Quais assuntos são relevantes para esse público? Como o seu negócio tem relação com o que eles estão buscando? E, o mais importante, como você poderá ajudá-lo nessa tarefa?

Toda essa etapa de planejamento e, principalmente, busca de palavras-chave ideais, vão ajudar na estrutura de um planejamento de conteúdo para a web dentro da sua estratégia.

Estruture o planejamento de conteúdo para web

Com palavras-chave e ideias em mãos, é chegada a hora de montar um planejamento de conteúdo e um cronograma para publicação de todos eles nas plataformas que sua persona geralmente se encontra. Esse planejamento vai ajudar a colocar no papel os conteúdos que você produzirá, pensando em auxiliar seus leitores em diferentes estágios do processo de conhecimento e procura por seus serviços.

A escolha dos meios de divulgação desses conteúdos (blog, redes sociais, e-mail marketing) também é feita nessa etapa, de acordo com as características da sua persona. O cronograma, por sua vez, vai ajudar a criar uma verdadeira agenda de desenvolvimento e distribuição dos conteúdos.

A intenção é organizar sua estratégia e ter uma visão geral de como ela está funcionando. Essa etapa facilitará, até mesmo, a sua análise dos resultados no futuro. Nunca deixe de contar com essa parte importante da gestão.

Não esqueça de pensar em SEO

Você já ouviu falar em SEO? O Search Engine Otimization, ou serviço de otimização de sites, é também uma estratégia indispensável para quem está estruturando uma estratégia de conteúdo para web. Ele é relevante para os textos publicados em blogs e sites, permitindo que sejam melhor ranqueados nos sites de busca, como o Google.

Pequenos detalhes de otimização do conteúdo podem ajudar no posicionamento das páginas de busca, oferecendo maiores chances de ser encontrado por sua persona na internet.

Coloque todo o seu time para atuar nessa estratégia

Uma estratégia de conteúdo para web deve contar com a participação de todo o seu time de marketing, e não somente a galera do Inbound Marketing ou da produção de conteúdo. É preciso incluir o atendimento, o time de sucesso do cliente e, até mesmo, o de vendas.

O intuito é um só: absorver o máximo de informações e oportunidades na hora de produzir um conteúdo único para a sua persona. Por isso, uma etapa importante dessa estratégia é alinhar com seu time a importância de todos para trazer bons resultados.

Sempre avalie os resultados

O que seria de uma estratégia de conteúdo web se você jamais tira um tempo na sua rotina para avaliar os resultados obtidos após um determinado período de ação?

Sem conhecer os indicadores que ajudam a compreender como a sua persona está interagindo com seu conteúdo — e como isso está sendo revertido em resultados para seu negócio —, o seu time será incapaz de promover melhoras ou persistir nos bons resultados conquistados por vocês. Por isso, é indispensável manter um olho na estratégia e o outro nesses dados valiosos.

Reconheça as vantagens para o seu negócio

Uma estratégia de conteúdo para web pode trazer diversas vantagens para o seu negócio. Além de permitir que você conheça melhor o seu público, é possível que você consiga desenvolver conteúdos mais relevantes e entregá-los da maneira certa e no momento certo para pessoas-chave para o seu objetivo final.

A sua presença de marca também se torna mais forte e valiosa com o desenvolvimento da estratégia e a expectativa, a longo prazo, é de ser capaz de transformar suas visitas e leitores em potenciais leads e clientes.

Como vimos, traçar um planejamento de conteúdo para web exige dedicação e comprometimento, não somente com a etapa do planejamento, mas também com a do desenvolvimento e, por fim, dos resultados. Com as nossas dicas, certamente, você alcançará todas as vantagens!

Você já trabalha com uma estratégia de conteúdo para a web na sua empresa? Quer começar? Então acesse o nosso site e veja como podemos ajudar o crescimento do seu negócio!

Aprenda a testar a velocidade do site e veja por que é importante deixá-lo mais rápido

Aprenda a testar a velocidade do site e veja por que é importante deixá-lo mais rápido

Com milhões de sites à disposição e estando a apenas um clique ou um toque de sair do seu endereço, é natural que os usuários queiram tudo na maior velocidade possível. Falhar em prover isso, por outro lado, pode prejudicar severamente a sua atuação digital. Por causa disso, é fundamental ficar de olho na velocidade do site, um dos fatores que mais impactam na experiência e nos resultados. Antes de tomar qualquer decisão, entretanto, é preciso reconhecer como anda a situação.

Por isso, aprenda como testar essa velocidade e entenda por que ela é tão importante.

Como testar a velocidade do site?

Para conhecer o valor desse elemento, é preciso recorrer a recursos específicos para essa função. Eles aferem, com precisão, qual é o tempo que o carregamento completo leva e oferecem uma análise sobre o que pode ser melhorado. Atualmente, há vários sites que contam com essa possibilidade. O WebPage Test, por exemplo, permite que você selecione o local de teste e até o navegador usado. Enquanto isso, o GTmetrix oferece uma análise um pouco mais complexa do endereço, indo além da sua velocidade de carregamento.

Apesar de haver outras ferramentas semelhantes, uma das melhores é o PageSpeed Insights, lançado pelo Google em 2016. Ele faz testes tanto para a versão desktop quanto para a mobile, indicando o resultado de 0 a 100. Quanto mais próximo de 100 o endereço estiver, melhor é a sua velocidade e menos modificações são necessárias para que ele fique adequado aos usuários.

Por que ela é importante?

De acordo com pesquisadores, o período de atenção (ou attention span) das pessoas é de apenas 8 segundos, contra 12 segundos nos anos 2000. Ou seja, o seu site tem menos de 10 segundos para envolver a atenção do usuário e isso inclui o carregamento. Com isso, quanto mais lento ele for, maiores são as chances de o endereço ser abandonado.

Inclusive, a velocidade do site também está ligada diretamente aos negócios. A partir dos 5 segundos, a cada segundo de carregamento há uma queda de 7% de conversão, de 11% de visualização de páginas e de 16% de satisfação dos clientes. Ou seja, um site que demora muito para carregar é malvisto pelos usuários e gera menos vendas.

Para completar, entre 2015 e 2016 o Google lançou o Accelerated Mobile Pages Project. Conhecimento como AMP, ele visa a favorecer o carregamento rápido das páginas, especialmente para ajudar usuários com conexões ruins. Embora ainda não seja um fator prioritário para SEO, a tendência é que ele seja incluído. Além disso, sites mais rápidos aumentam o tempo de permanência, ampliando a relevância e ajudando na conquista de melhores resultados de SEO.

Portanto, ter um endereço que carrega rapidamente afeta positivamente a experiência do usuário e ainda favorece o sucesso da estratégia do negócio.

Quais ações tomar para torná-lo mais rápido?

Uma vez que você tenha medido a velocidade do site, é relevante fazer otimizações para que ele se torne cada vez mais rápido. Algumas mudanças, inclusive, são bem simples e garantem ótimos efeitos.

Entre as principais ações, estão:

  • Escolha de um design leve, responsivo e funcional;
  • Compactação de códigos, como HTML e CSS;
  • Eliminação ou redução dos redirecionamentos de página;
  • Uso de imagens otimizadas para web;
  • Diminuição do uso de recursos pesados, como animações em excesso e outros.

Reconhecendo a importância que a velocidade do site tem em seus resultados, aja para melhorá-la e diminuir o tempo de carregamento. Assim, você conquistará maior satisfação dos usuários e melhorará sua atuação.

Não deixe de seguir nossa página no Facebook, assim você ficará sabendo quando tiver um novo conteúdo aqui no blog!

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.

Show Buttons
Share On Facebook
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Hide Buttons