Não caia no esquecimento: 4 formas de marcar presença na memória do consumidor

Não caia no esquecimento: 4 formas de marcar presença na memória do consumidor

Ser lembrado pelo consumidor é uma das coisas mais importantes para qualquer negócio. Em vez de simplesmente reagir a um anúncio, quando o cliente se lembra da marca trata-se de uma ação natural e espontânea. Ajuda a consolidar os resultados do empreendimento e colabora para que, eventualmente, a empresa se transforme em uma opção top of mind.

Para não cair no esquecimento, algumas dicas são certeiras e garantem que o seu negócio esteja sempre flutuando na cabeça das pessoas. Veja 4 formas de marcar presença e ser lembrado:

1. Tenha uma identidade visual forte

Começando pelo mais básico: é fundamental ter uma identidade visual que seja bastante consistente e de alto impacto. Algumas das maiores marcas existentes devem muito do seu sucesso a esse aspecto.

É o caso de apostar corretamente nas cores do empreendimento, empregando a psicologia, além de investir em elementos gráficos que traduzam a mensagem do negócio.

Todos esses fatores devem ser facilmente fixados na memória do consumidor, de forma a garantir que você não caia no esquecimento.

2. Fortaleça a comunicação com quem compra

A comunicação é um poderoso elemento para se fazer lembrado, já que os clientes vão se recordar bem de quem estabelece uma boa nutrição de relacionamentos. Isso significa, por exemplo, investir em ações de marketing digital.

Como o cliente está mais do que nunca presente na internet, posicionar-se adequadamente no mundo on-line ajuda enormemente a marcar presença no mercado. Para tanto, vale a pena utilizar estratégias daquele tipo de marketing, como a atuação nas redes sociais, de modo a criar um canal de forte interação.

É importante que a comunicação não seja apenas comercial. Em vez disso, procure agregar valor, como ao oferecer à clientela conteúdos relevantes e que a auxilie em suas dúvidas.

3. Use o marketing sensorial

Gerar boas sensações é uma forma efetiva de criar lembranças muito mais duradouras. Uma loja de perfumes precisa ter um ambiente com aroma agradável e marcante. Enquanto isso, uma loja refinada se beneficia de iluminação e som ambiente adaptados.

Esses são apenas alguns exemplos de como fazer um marketing sensorial, que tem tudo a ver com criar cenários e experiências. Garantir que o consumidor se sinta bem comprando e, principalmente, que tenha impressões que só a sua marca proporciona, é uma forma de ser sempre lembrado.

4. Invista na fidelização do consumidor

Nada melhor para ficar na memória do cliente do que fazer com que retorne outras vezes para comprar com você. Para chegar a tanto, é imprescindível garantir a fidelização, o que exige certos cuidados.

Em primeiro lugar, é fundamental atender aos desejos principais de quem compra. Além disso, um atendimento personalizado e de máxima qualidade vai fazer toda a diferença para conseguir aquele resultado.

Deve-se obter a alta satisfação de quem faz as compras e alimentar um relacionamento de valor. Ambas as iniciativas vão gerar confiança e mais interesse para a marca, fazendo com que a pessoa não apenas se lembre do seu negócio, mas retorne para o estabelecimento, várias outras vezes no futuro.

Para se fixar à memória do consumidor, é válido investir em experiências, comunicação e atendimento. Os elementos visuais também são importantes, criando uma marca impossível de ser esquecida.

Gostou das dicas? Então não deixe de atualizar seu Facebook compartilhando essa publicação!

Confira alguns mitos sobre estratégia de inbound marketing

Confira alguns mitos sobre estratégia de inbound marketing

Ter uma estratégia de inbound marketing rodando é uma forma de conquistar melhores resultados para sua empresa. A partir da popularização do marketing de atração, cada vez mais negócios estão adotando aquela possibilidade.

Apesar de altamente eficiente, há dúvidas e mitos sobre esse tema. E muitos desses pontos impedem que os donos de negócios e empreendedores apostem seus investimentos desde já naquela ideia.

Para não desperdiçar chances, apresentamos alguns mitos sobre o assunto! Confira:

“Ter uma estratégia do tipo só serve para negócios grandes”

Quando se fala em inbound marketing, é muito comum que as PMEs sintam que esse não é um caminho para elas. O marketing, por si só, muitas vezes já é encarado como sendo coisa de empresa grande e na sua versão de atração esse pensamento é reforçado.

Porém, trata-se de um dos maiores mitos, já que é algo muito versátil. Mesmo que ainda não seja possível fazer grandes produções, ter uma estratégia de conteúdo, de social média e de análise de resultados é acessível para a maioria dos empreendimentos.

“Usar essa abordagem é muito caro”

Isso leva diretamente para o próximo mito: o de que a estratégia de inbound marketing é sempre muito cara. Na verdade, os leads adquiridos por essa possibilidade custam 60% a menos do que pela versão tradicional, o que já mostra como ela pode ser econômica.

Além disso, ela oferece vários resultados em longo prazo, como ganho de autoridade para a marca e mais relacionamento com o cliente. De quebra, as agências têm se preocupado em oferecer pacotes que caibam no bolso de empresas menores.

“Não é possível conseguir vendas com essa possibilidade”

Outra questão é que persiste a crença de que esse tipo de marketing não é capaz de gerar vendas. A verdade não poderia ser mais discrepante! Se for utilizado da maneira correta, ele vai gerar ótimos contatos para que o time de vendas realize ações.

É a partir dessa estratégia que surge o conceito de inbound sales, em que os vendedores trabalham os leads que foram adquiridos e qualificados por meio das ações de atração.

Trata-se de uma forma de acelerar as vendas e conseguir atuação diferenciada.

“A estratégia de inbound marketing oferece resultados imediatos”

Ao mesmo tempo em que há quem não acredita na metodologia, também há quem confia na ideia de que a estratégia de inbound marketing é algo milagroso. Porém, não é bem assim. Embora ofereça resultados muito positivos, eles não surgem instantaneamente.

É preciso ter consistência e planejamento, além de uma execução continuada. Estima-se que são necessários de 6 a 12 meses para que os primeiros bons resultados apareçam. Ter isso em mente ajuda a não se frustrar e a encarar a questão da maneira adequada.

“É possível elaborar a estratégia sem ajuda profissional”

Pode parecer muito fácil começar um blog ou criar um perfil nas redes sociais a fim de falar com seus clientes. Porém, existe muito mais por trás do sucesso desse tipo de atuação.

É necessário definir personas e objetivos, estudar o mercado e fazer um bom planejamento, com cronograma e tudo. É um mito achar que dá para executar a sua tática de mercado de maneira amadora.

A menos que você tenha uma equipe completa e especializada na sua organização, o ideal é contratar uma agência que ofereça esse tipo de serviço para maximizar as possibilidades.

Depois de desconstruir esses mitos, vai ficar muito mais presumível ter uma estratégia de inbound marketing de sucesso!

Conte nos comentários se você conhece algum outro mito e não deixe de compartilhar suas impressões sobre o tema em suas redes sociais!

5 dicas para alcançar boas taxas de abertura de e-mail marketing

5 dicas para alcançar boas taxas de abertura de e-mail marketing

 taxas de abertura de e-mail

O e-mail marketing é uma ferramenta popular e eficiente, tanto que diversas empresas de sucesso utilizam essa estratégia em suas ações de marketing digital.

E se antes o e-mail marketing era sinônimo de mensagens agressivas de vendas, hoje, com os novos conceitos de inbound marketing, essa ferramenta se tornou um meio de divulgar conteúdo relevante sobre o universo do seu negócio, estabelecer um relacionamento com o seu cliente e converter leads.

Mas para que tudo isso aconteça é preciso que o usuário… abra o seu e-mail! Se esse é um desafio para você, leia este post e descubra 5 dicas para alcançar boas taxas de abertura de e-mail marketing.

1. Capriche no assunto do e-mail

O assunto é um dos principais responsáveis pela abertura de um e-mail, afinal, ele é primeiro contato do seu público com o tema abordado e se ele não for atrativo, provavelmente seu e-mail será encaminhado para a lixeira antes da abertura.

Mas como criar um assunto chamativo? Bem, isso depende dos seus objetivos, posicionamento de marca e público-alvo, mas existem algumas recomendações. Explore no assunto valores como a curiosidade e a relevância, deixando claro que aquele e-mail é interessante — seja por resolver um problema, suprir uma necessidade ou lidar com algum desejo.

Da mesma forma, evite assuntos longos, pontuações, palavras e expressões negativas que podem fazer com que seu e-mail vire um spam.

2. Produza e envie conteúdo relevante

Imagine receber um e-mail de uma empresa, que não trata de um assunto relevante para você, não traz um conteúdo construtivo e nem informações atrativas, apenas tenta lhe vender um produto. Qual a chance de você abrir novamente um e-mail dessa empresa? Nenhuma!

Convencer um cliente a abrir seu e-mail marketing pela primeira vez já é um desafio, portanto se você o convenceu, mantenha-o interessado lhe oferecendo conteúdo de qualidade. Assim, você consegue manter boas taxas de abertura de e-mail ao longo do tempo.

3. Invista em listas de qualidade e segmentação para melhorar as taxas de abertura de e-mail

Não adianta montar um e-mail com um assunto chamativo e conteúdo relevante se ele for enviado para as pessoas erradas.

Para que a estratégia funcione, é preciso que ela atinja o público para o qual foi desenvolvida. Em outras palavras, seu mailing deve ter leads qualificados, com o perfil que você precisa, seja em suas necessidades, interesses, localização geográfica, condição financeira, etc.

Além disso, é importante segmentar sua lista de acordo com as suas campanhas, para que seu público receba e-mails cada vez mais relevantes e bem direcionados.

4. Defina a frequência e faça envios em horários estratégicos

O horário e frequência dos disparos são fatores que impactam diretamente nas taxas de abertura de e-mail.

No que diz respeito ao horário, estude o comportamento do seu público e dispare o e-mail marketing no horário em que existe maior propensão de que ele seja visto.

Quanto à frequência, preze pelo equilíbrio. E-mails excessivos irritam o cliente e levam ao cancelamento da inscrição (opt-out) ou a sinalização como spam. Por outro lado, poucos e-mails podem fazer a marca cair no esquecimento.

5. Adapte o e-mail para visualização mobile

Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística — 80,4% dos usuários brasileiros acessam a internet por meio de smartphones. Isso significa que o seu conteúdo deve ser adaptado para a visualização mobile.

Crie sempre e-mails responsivos, para que todos os usuários da sua base possam acessar o conteúdo sem problemas de carregamento, layout desalinhado ou perda de informação.

Não existe uma receita pronta para ter sucesso com o e-mail marketing, mas essas dicas são um começo para você alcançar boas taxas de abertura de e-mail. O importante é sempre realizar testes e medições e fazer ajustes na estratégia quando necessário.

Gostou do texto? Então não deixe de compartilhar essas dicas sobre taxas de abertura de e-mail marketing em suas redes sociais para que seus amigos também obtenham essas informações!

Como estar bem posicionado no Google: 5 dúvidas comuns sobre SEO

Como estar bem posicionado no Google: 5 dúvidas comuns sobre SEO

Se você tem um negócio que possui presença digital — seja um site, blog, E-Commerce ou ainda qualquer empreendimento nas redes sociais — provavelmente já ouviu falar sobre SEO — Search Engine Optimization, ou em português, Otimização para Mecanismos de Busca.

O uso dessa técnica garante que seu site fique bem posicionado no Google. Com isso as chances de atrair novos visitantes para o seu site serão maiores.

No entanto, o SEO não é uma técnica fácil de ser aplicada e é comum surgirem dúvidas sobre o assunto. Conheça a seguir as principais questões sobre SEO e aprenda a utilizar essa estratégia corretamente para alavancar o seu negócio.

1. O que é SEO e como funciona o processo de otimização?

SEO é um conjunto de técnicas que aprimoram a estrutura e o conteúdo de um site a fim de torná-lo mais visível nos resultados orgânicos de pesquisas feitas em buscadores como Google.

Esse processo de otimização funciona através da adoção de boas práticas como identificação e uso adequado de palavras-chave, utilização correta dos campos de título, meta description e meta tags, URL amigáveis, presença de links e imagens nas páginas do seu site.

2. Como saber quais as palavras-chave certas para um site?

O uso de palavras-chave é um dos elementos mais importantes na prática de SEO. Por isso, elas sempre devem estar relacionadas ao universo do seu negócio e a maneira mais simples de identificá-las é se colocando no lugar do usuário e pensando em como ele buscaria o seu conteúdo. Mas como esse caminho é bastante subjetivo, já existem ferramentas que ajudam a identificá-las, como o Keyword Planner do Google Adwords e o SEMrush.

Vale lembrar que as palavras-chave devem estar presentes no título, no corpo do texto e, se possível, na URL. Mas cuidado com os exageros, elas devem aparecer de forma relevante no conteúdo, pois inserir as palavras apenas para burlar os mecanismos do Google pode trazer penalidades para seu site.

3. Qual a importância dos links para o SEO?

Os links são como recomendações que mostram aos buscadores que uma página é relevante direcionando o visitante para o seu conteúdo.

Podem ser internos, ou seja, linkar uma página do seu site para outra dentro do seu próprio site; ou externos que são sites de terceiros que linkam para seu conteúdo. Ambos são importantes para SEO.

Mas vale salientar que os links não devem ser utilizados em excesso e nem serem aleatórios, ou seja, eles devem aparecer dentro de um contexto relevante e que tenha relação com o assunto tratado no texto.

4. Preciso otimizar imagens para SEO?

As imagens influenciam o posicionamento de um site no Google e por isso, também devem ser otimizadas. A questão é que os mecanismos de busca não conseguem ler imagens, mas leem textos. Por isso, é preciso inserir uma espécie de descrição ou palavra-chave na hora de upar as imagens, chamada de Alt Text ou Texto Alternativo, que possibilita que elas sejam encontradas pelos buscadores.

5. Quanto tempo demora para se obter resultados com o SEO?

Infelizmente não existe uma resposta precisa para essa questão pois o uso correto do SEO é um trabalho de longo prazo e que requer tempo para os resultados aparecerem.

Além disso, esses resultados dependem de diversos fatores, como o nível de competitividade do seu mercado, quantidade e qualidade do conteúdo, autoridade do domínio, entre outros.

Para alcançar bons resultados, o SEO deve ser avaliado constantemente através do page rank e da medição do tráfego do site e ajustado de tempos em tempos, pois as regras dos buscadores mudam periodicamente e seu posicionamento pode ser favorecido ou prejudicado por essas mudanças.

Por fim, vale ressaltar que quem quer investir em SEO deve contar com a ajuda de um parceiro que entenda do assunto. Apesar de algumas práticas serem simples, outras são mais complexas, principalmente para quem é leigo em tecnologia.

Por conta disso, uma empresa parceira pode traçar estratégias que estejam mais alinhadas ao seu negócio, evitando desperdício de tempo com ações que trariam poucos resultados.

Ficou claro o significado de SEO? Não deixe de compartilhar esse conteúdo em suas redes sociais para que seus amigos também aprendam sobre essa técnica!

E-mail marketing e fluxo de nutrição — veja as principais diferenças entre eles

E-mail marketing e fluxo de nutrição — veja as principais diferenças entre eles

Quando o assunto é estratégia de marketing, logo vem a questão: e-mail marketing ou fluxo de nutrição?

É evidente que o e-mail marketing é uma poderosa ferramenta de marketing digital, capaz de construir e manter um relacionamento com os leads. No entanto, apenas enviar newsletters, novidades e informações para a sua base não é eficiente, e realizar a segmentação considerando o interesse de cada lead e seu atual momento de compra pode ser muito trabalhoso.

É nesse ponto que o fluxo de nutrição entra na sua estratégia de marketing a fim de ajudar o seu negócio a ter um crescimento mais escalável.

Para entender melhor, conheça neste post os principais pontos de diferença entre e-mail marketing e fluxo de nutrição.

Timing no envio da comunicação

A primeira diferença notável é em relação ao timing de envio dos e-mails, ou seja, quando enviar um determinado material para o lead.

Enquanto as campanhas de e-mail marketing partem do princípio de que todos os destinatários possuem interesse naquele tema e naquele momento, independente das ações que tenham realizado, em um fluxo de nutrição isso não acontece.

Ao planejar o fluxo de nutrição criam-se e-mails associados a perfis de segmentação e quando o lead atinge um determinado perfil através de uma ação realizada, ele começa a receber imediatamente os e-mails daquele fluxo específico. Em outras palavras, é como se o próprio lead definisse qual e-mail receber e em que momento, de acordo com as ações que ele realiza.

Adequação ao estágio do funil de vendas

Não é inteligente enviar uma campanha de e-mail marketing para toda a sua base, sem considerar os diferentes estágios de compra dos leads.

Por exemplo, uma campanha de meio e fundo de funil não será eficiente para toda a sua base, afinal, uma parte dos seus leads simplesmente não está nessa fase de compra e não é um e-mail que vai convertê-lo a cliente.

Esse tipo de segmentação pode ser feita no e-mail marketing, mas certamente exigirá tempo e muito trabalho da sua equipe de marketing, sobretudo se a base de leads for grande.

O fluxo de nutrição permite realizar um envio mais direcionado, enviando o material certo, para o lead certo e no momento certo, de forma mais inteligente e automatizada.

Obtenção de métricas e análise de resultados

Por trabalhar de forma bastante segmentada, as métricas do fluxo de nutrição tendem a serem mais assertivas e detalhadas do que as de campanhas de e-mail marketing.

Enquanto o e-mail marketing foca em taxas de abertura e cliques, o fluxo de nutrição levanta métricas mais relacionadas às vendas, como a qualidade dos leads que passam para a área de vendas, a velocidade com que eles avançam no funil, a quantidade de leads que estão em fluxos de fundo de funil,  o custo de aquisição de clientes (CAC), entre outros.

Essas métricas do fluxo permitem uma análise de resultados mais focada no impacto que essa estratégia de marketing tem sobre as vendas da empresa.

E-mail marketing ou fluxo de nutrição? O que é melhor para a minha empresa?

É preciso ficar claro que e-mail marketing e fluxo de nutrição são ferramentas diferentes, mas ambas são importantes para o seu negócio.

Elas devem ser trabalhadas juntas dentro da estratégia de marketing digital, o fluxo como uma ferramenta contínua e que acompanha o lead durante todo o funil de vendas e o e-mail marketing para campanhas mais pontuais.

Outra questão é o tamanho da sua base de leads. Uma base pequena pode funcionar bem com e-mail marketing, desde que seja feita a segmentação, mas em bases maiores, o fluxo de nutrição é a melhor estratégia.

Você utiliza e-mail marketing ou fluxo de nutrição na sua empresa? Qual a sua experiência com estes ferramentas? Compartilhe seu ponto de vista conosco nos comentários.

KPIs – Entenda quais são os principais indicadores de performance

KPIs – Entenda quais são os principais indicadores de performance

Os indicadores de performance, também conhecidos como KPI, são métricas que dizem muito sobre a atuação altamente estratégica do negócio. Acompanhá-los, portanto, é uma forma de entender como o empreendimento caminha rumo ao sucesso.

Embora cada empresa tenha suas necessidades e KPIs que devem ser acompanhados, há alguns que se destacam por sua grande aplicabilidade. Inclusive, muitos servem não apenas para a área financeira ou de gestão, mas também para mensurar resultados do marketing digital, por exemplo.

Por isso, veja quais são os principais e saiba como e quando usá-los!

O ticket médio é um dos indicadores de performance financeira

Esse KPI apresenta qual é o valor médio gasto pelos clientes dentro de um determinado período. Para calculá-lo, use a seguinte equação:

Ticket médio = Faturamento do período / Número de clientes no período

Se a empresa teve 100 clientes e faturou R$ 50 mil no mês, seu ticket médio é de R$ 500,00 para o período. A ideia é que o valor seja o maior possível. Também dá para comparar com o preço médio dos produtos. Se o ticket médio é de R$ 500,00 e os produtos custam, em média, R$ 100,00, há um indício de que os clientes compraram mais de um item ou mais de uma vez. Porém, se o preço médio dos itens é de R$ 450,00, há espaço para otimização.

O custo de aquisição do cliente (CAC) é crucial para a lucratividade

O custo de aquisição do cliente (CAC), como o próprio nome indica, demonstra qual é o valor gasto em todo o processo de captação e conversão dos clientes. Ele é dado por:

CAC = Valor das ações de captação e conversão / Total de clientes no período

Se uma empresa gastou R$ 20 mil em um mês e conseguiu atrair 50 novos clientes, então o CAC é de R$ 400,00 Não existe um valor ótimo, mas o ideal é que ele seja o menor possível.

Além disso, esse KPI pode ser cruzado com o ticket médio para definir se o CAC está ou não em uma faixa adequada.

Se o CAC é de R$ 400,00 e o ticket médio de R$ 300,00, a empresa está gastando mais do que ganha com a venda. Já se o ticket médio é de R$ 1.000,00, então o CAC caminha para ficar dentro de um ótimo valor.

A taxa de conversão ajuda a avaliar os esforços junto aos clientes

Outro entre os indicadores de performance mais importantes é a taxa de conversão. Ela pode ser usada tanto em relação à venda quanto em ações específicas, como acontece no marketing digital.

Seu cálculo é dado por:

Taxa de conversão = (Número de clientes que agiram como o desejado / Número de contatos) x 100%

Imagine que uma campanha de marketing digital alcançou 20 mil pessoas e, delas, 400 converteram. O valor da taxa, portanto, é de 2%.

Um número progressivamente mais elevado demonstra eficiência nos esforços do time responsável.

O retorno sobre investimento (ROI) é uma das métricas mais importantes

Outro entre os indicadores de performance é o retorno sobre investimento (ROI). Ele indica qual é a rentabilidade de uma determinada ação, ou seja, o que ela “devolve” para o negócio.

O cálculo é dado por:

ROI = [(Faturamento – Gastos com a ação) / Gastos com a ação] x 100%

Se uma estratégia de e-mail marketing custou R$ 5 mil e conseguiu um retorno de R$ 7 mil, por exemplo, o ROI da ação foi de 40%. Ou seja, cada R$ 1 investido retornou R$ 1,40 brutos. Mais uma vez, valores elevados indicam bons resultados. Esse KPI é muito relevante porque ajuda a priorizar investimentos e, também, permite que a empresa identifique qual é o retorno, de fato, que cada abordagem traz.

Acompanhando esses indicadores de performance, dá para conhecer a fundo os principais resultados do seu empreendimento. A partir daí, a tomada de decisão fica facilitada e muito mais estratégica! Quais são os indicadores que sua empresa acompanha? Conte nos comentários e compartilhe experiências!

Quer fidelização? Comece fazendo a gestão de clientes com um CRM

Quer fidelização? Comece fazendo a gestão de clientes com um CRM

A fidelização é um elemento fundamental para o sucesso do seu empreendimento. Ter consumidores fiéis significa que eles estão satisfeitos e, principalmente, que estão indicando o negócio para outras pessoas.

O processo, entretanto, não é tão simples, mas algumas ferramentas podem ajudar. Quando a gestão de clientes é feita com um CRM, por exemplo, há maiores possibilidades de conquistar os efeitos desejados.

Sendo assim, veja a seguir como usar esse recurso a seu favor e consiga uma base sólida de consumidores!

Use as informações para fazer um atendimento personalizado

É fundamental que todos os clientes e até leads e prospects estejam cadastrados no CRM. Coletar as informações dessas pessoas é uma opção de partida e os próximos passos incluem o monitoramento de todos os pontos de contato.

Ao fazer isso, a empresa terá uma grande e relevante base de dados a respeito de quem mais importa. Porém, somente ter as informações não é o suficiente. Na hora de atender, esses elementos devem ser utilizados para criar uma experiência personalizada e altamente satisfatória.

Imagine, por exemplo, que sua empresa oferece um sistema na nuvem e um determinado cliente possui um plano intermediário. Ao entrar em contato com o suporte, o ideal é que o atendente saiba, exatamente, qual é o plano dele, o tempo de relacionamento e outras características relevantes.

Além de isso acelerar qualquer processo de atendimento, evita que o cliente tenha que ser questionado sobre dados que já forneceu anteriormente. Isso aumenta a satisfação e, consequentemente, leva a uma fidelização maior.

Una o CRM a uma ferramenta de automação de marketing

Como é uma tendência crescente que vendas e marketing se unam, o CRM não precisa ser utilizado apenas do ponto de vista comercial. De fato, dá para uni-lo a uma ferramenta de automação de marketing para conseguir melhores resultados.

Explica-se: com esse trabalho conjunto dos softwares, é possível criar um fluxo de nutrição que é cada vez mais relevante para o consumidor. Na hora de fazer e-mail marketing, por exemplo, dá para enviar conteúdos que tenham a ver, de fato, com a jornada de quem consome.

Usando os dados do CRM, a automação de marketing segmenta e direciona as campanhas para as pessoas certas, melhorando a conversão e favorecendo o alcance dos efeitos esperados.

Aposte em um pós-vendas de sucesso

A gestão de clientes não deve acontecer somente até o momento em que o consumidor diz “sim” e faz a aquisição. Ela precisa continuar depois disso e o CRM é de grande auxílio.

Com as informações de comportamento, consumo e necessidades de quem compra, o time comercial poderá fazer um pós-vendas de alta qualidade. É o caso de fazer ofertas complementares (cross selling) ou melhoria/atualização (up selling).

No mesmo caso do cliente que possui um plano intermediário do software, o CRM pode apontar que, na verdade, ele ficará melhor com recursos avançados. Assim, o time comercial pode abordá-lo, explorar os problemas que já são conhecidos e mostrar o upgrade como uma solução viável.

Faça uma gestão de clientes inativos

E quanto a quem comprou e não retornou? Pois saiba que também é possível fidelizar essas pessoas e com um esforço menor do que o necessário para adquirir novos.

Nesse caso, a gestão de clientes envolve as pessoas que estão na base, mas que, por algum motivo, ficaram inativas. O CRM ajuda justamente a identificá-las e, com base nas informações, a desenhar soluções que ajude a atraí-las de volta.

Ao entrar em contato, é possível oferecer descontos, vantagens e outros elementos que façam com que a pessoa retorne para a compra e se mantenha fidelizada.

Ao empregar o CRM em sua gestão de clientes, o atendimento fica mais robusto e personalizado, colaborando para a fidelização. Assim, considere usar esse recurso para consolidar efeitos ainda melhores!

Gostou dessas informações? Não deixe de acompanhar nossa página no Facebook para receber as atualizações do blog!

5 técnicas matadoras para aumentar o desempenho no Facebook Ads

5 técnicas matadoras para aumentar o desempenho no Facebook Ads

O Facebook Ads é uma forma prática de anunciar na maior e mais acessada rede social do mundo. Com uma ação bem estruturada é possível conquistar novos fãs, ampliar a exposição da marca e consolidar conversões com ótimo retorno.

Para conseguir todos esses efeitos, é necessário usar práticas para vencer a concorrência, se destacar e convencer o cliente. Por isso, veja 5 técnicas matadoras para melhorar o desempenho e descubra como usar essa ferramenta de forma estratégica!

1. Segmente as suas campanhas para ter os melhores resultados

O orçamento ligado ao Facebook Ads está diretamente relacionado ao número de pessoas alcançadas. Com isso, quanto maior for o público que você pretende atingir, maior é o orçamento.

O problema é que nem todo mundo conhece a sua marca ou está interessado na solução que ela oferece. Por isso, é fundamental segmentar o público da campanha. Selecione informações relevantes, como faixa de idade, localização e até interesses e páginas relacionadas.

Isso melhora a rentabilidade da ação, já que maximiza o potencial de conversão — ou que, normalmente, não acontece com informações inespecíficas.

2. Defina corretamente os objetivos da campanha no Facebook Ads

Também é necessário estabelecer quais são os objetivos de cada ação. A ideia é definir, por exemplo, valores desejados de conversão e qual é a ação a ser tomada pelo usuário.

Se você deseja vender mais ou melhorar a rentabilidade do empreendimento, adquirir mais fãs, por si só, não será o bastante. Por isso, é preciso ter bem claros quais são, de fato, os interesses com a campanha.

Essa é uma decisão que ajuda a evitar o acompanhamento de métricas de vaidade e que favorece a atuação altamente estratégica.

3. Prenda a atenção do público que será atingido

No Facebook, a atenção do seu público está cada vez mais dispersa entre um volume intenso de informações. Se publicações de amigos e parentes muitas vezes não são vistas, anúncios podem ser facilmente ignorados.

Para evitar que isso aconteça, invista em prender a atenção do público com chamadas atraentes, fotos bonitas e elementos persuasivos. Inclusive, oferecer condições exclusivas para esse canal é uma forma de despertar o interesse quem é atingido pela campanha.

4. Faça testes controlados sobre o desempenho

Mesmo que a performance no Facebook Ads esteja satisfatória, sempre há a possibilidade de melhora. Por isso, o recomendado é realizar testes com uma variação por vez. Faça pequenas alterações, no melhor estilo teste A/B, para identificar quais são, de fato, os interesses do seu público.

Essa é uma ação que garante dinamismo e o melhor aproveitamento de oportunidades. Ao final, a sua campanha terá uma rentabilidade muito maior se usar adequadamente essas informações.

5. Monitore de perto os resultados obtidos até então

A hora de medir o que aconteceu não é apenas quando a campanha é encerrada. Em vez disso, procure fazer um monitoramento constante e dinâmico, de modo a identificar oportunidades e gargalos.

É somente ao monitorar os resultados bem de perto que você poderá evitar que campanha seja um fracasso ou, então, que deixe de aproveitar a chance de ter o seu retorno sobre investimento multiplicado. Com os dados e estatísticas, embase decisões que possam contribuir para efeitos cada vez melhores.

Ao aplicar essas orientações, você conquistará um desempenho no Facebook Ads muito melhor, favorecendo o sucesso do empreendimento. Ainda tem alguma dúvida sobre o que fazer? Conte nos comentários!

Saiba como influenciar a tomada de decisão através do fluxo de nutrição

Saiba como influenciar a tomada de decisão através do fluxo de nutrição

O funil de vendas é uma metodologia muito utilizada para que uma empresa oriente suas ações de marketing rumo às vendas. Como divide as oportunidades em seus diferentes estágios de compra, é capaz de aumentar a efetividade de ações e diminuir o ciclo de vendas.

Para que isso seja possível, o fluxo de nutrição precisa ser feito corretamente. É ele quem conduzirá os leads até que se tornem clientes, o que acontece por meio da informação e oferta de conhecimento relevante.

Quer saber como influenciar a tomada de decisão com esse elemento? Então veja a seguir:

Identifique a posição dos contatos no funil de vendas

O primeiro passo para que o fluxo de nutrição funcione é reconhecer onde está o seu contato/oportunidade. Ao saber qual é a posição no momento, dá para definir qual é o próximo passo a ser dado. Se um cliente ainda está na fase de reconhecimento e descoberta, por exemplo, o fluxo de nutrição tem que conduzi-lo para o aprofundamento e consideração.

Já se a pessoa está prestes a fechar negócio, oferecer conteúdo do topo do funil, explicando sobre um problema que ele já reconhece, só levará à perda de timing e prejuízos para a persuasão. Para acertar, vale utilizar a qualificação de leads mediante parâmetros bem definidos, de modo a separá-los corretamente entre as etapas.

Ofereça conteúdo específico no fluxo de nutrição

A partir dessa identificação, é hora de oferecer conteúdo específico e personalizado para que a pessoa fique mais próxima de tomar uma decisão favorável à sua empresa. Novamente, a qualificação vem a calhar. Por meio dela, dá para criar grupos entre as oportunidades, considerando o posicionamento delas.

Isso gera a segmentação, que consiste em oferecer conteúdo personalizado para cada necessidade desse grupo. Assim, aumentará a efetividade de ações, pois garante que cada pessoa receberá o conteúdo de que necessita. Pense em conteúdos e elementos que ajudem a informar e convencer as pessoas, tornando-as mais seguras para tomar a decisão. Criar esse relacionamento é fundamental para conduzi-las até o final.

Aproveite a automação de marketing

Dependendo da sua base de leads, fazer esse processo manualmente demanda muito tempo e recursos. Além disso, há maiores chances de haver o desperdício de oportunidades.

A melhor maneira de contornar isso é com a automação de marketing. Por meio de ferramentas desse tipo, dá para definir parâmetros e gatilhos, que determinam quando uma pessoa recebe um ou outro conteúdo.

Isso ajuda a aproveitar todas as oportunidades e diminui as chances de erros, reduzindo o tempo até o fechamento da venda.

Monitore o comportamento e otimize os resultados

Porém, é sempre importante lembrar de que a jornada de compra do público não é linear. Alguém pode entrar pelo meio do funil de vendas, consumir conteúdo do topo e partir para a decisão, por exemplo. Por isso, as ações do seu fluxo de nutrição devem ser norteadas pelo comportamento do seu público, então é fundamental fazer a mensuração e avaliação de resultados.

A partir dos padrões encontrados, realize ações de otimização, gerando cada vez mais efetividade na tarefa de persuasão. Ao seguir esses passos, o seu funil de vendas influenciará diretamente a tomada de decisão e gerará mais conversões para o empreendimento.

Nos comentários, deixe suas impressões, dúvidas ou opiniões sobre o tema!

Google Trends: um grande aliado para analisar o seu mercado

Google Trends: um grande aliado para analisar o seu mercado

Você já conhece o Google Trends? Essa ferramenta de marketing digital do Google é gratuita e pode ajudar bastante sua empresa.

Com a base de dados enorme que o Google tem, você terá acesso aos temas mais pesquisados no momento em seu segmento, compreendendo os interesses do seu público-alvo e buscando o seu melhor posicionamento na internet.

Acompanhe a leitura conosco e saiba mais sobre o potencial do Google Trends para analisar o seu mercado transformando-o para melhor!

O que é o Google Trends?

A ferramenta foi criada em 2006 e disponibilizada gratuitamente. Sua função é acompanhar o número de buscas dos usuários por um tópico específico ou uma palavra-chave. Trends, que significa tendências, mostrará como resultados as tendências de busca sobre um relacionado tema.

O usuário pode ainda filtrar os resultados de sua pesquisa por critérios demográficos, período de tempo, tipo de busca e outras categorias. Esses resultados são uma parte específica do total do Google, e podem ser pesquisados a partir do ano de 2004.

Por que utilizar essa ferramenta?

O Google Trends preocupa-se com as ações do usuário, as possibilidades de segmentação, visando dar maior praticidade, fornecendo uma plataforma intuitiva.

A ferramenta ainda não é amplamente utilizada. Por isso, usufruir dos seus benefícios funciona como um diferencial competitivo para a sua empresa. Isso sem contar que o Google Trends é gratuito, você não precisa investir recursos financeiros para ter os melhores resultados.

Você pode usá-la para encontrar as tendências relacionadas ao seu segmento, identificando o crescimento ou queda no interesse de determinados temas. Isso é importante para direcionar a criação de conteúdos mais relevantes. Além disso, você pode comparar os termos aplicados nas suas ações de marketing.

Outra funcionalidade interessante é o Forecast, que pode prever a popularidade de um termo futuramente. Funciona por meio da análise de pesquisas anteriores. Essa ferramenta também permite filtros de busca que se relacionem com o mercado que você está procurando.

Como utilizar o Google Trends?

O primeiro passo é acessar o link da plataforma. Não é preciso fazer um cadastro prévio para realizar suas pesquisas. Na página principal, você terá acesso aos temas mais populares da internet, na caixa de busca você pode explorar tópicos ou digitar o termo que deseja procurar.

Você encontrará, então, um gráfico evolutivo das pesquisas dos usuários. Rolando a página, terá acesso aos países em que o termo pesquisado é mais popular e também aqueles temas que são mais relacionados a ele.

É possível alterar o intervalo de tempo e acompanhar a evolução das pesquisas (desde 2004 até os dias atuais), envolvendo melhor a oscilação de interesse. Um gráfico comparativo de utilização de palavras-chave também é exibido.

Com um bom trabalho de pesquisa de tendências e palavras-chave, é possível organizar suas estratégias de conteúdo através do mapeamento. Inclua o uso do Google Trends na rotina de estratégias de marketing digital da sua empresa e fique à frente da concorrência, focando nas pessoas e atendendo melhor ao seu público-alvo. Mãos a obra!

O que achou dessa dica? Tem alguma dúvida ou já tem experiência com a ferramenta? Deixe aqui o seu comentário!

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.

Show Buttons
Share On Facebook
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Hide Buttons